Início > Artigos e Comentários > O PODER DO DINHEIRO.

O PODER DO DINHEIRO.

Dinheiro

Há muito tempo a filosofia do “Tudo tem um preço” tem sido praticada no mundo. Não importa o que seja. Pode ser um bem móvel ou imóvel,  um certificado, uma reportagem na mídia, um minuto do seu tempo e pode até ser você, se assim o permitir.

No passado, havia o comércio de seres humanos para atender as necessidades de mão-de-obra. Hoje o comércio é outro. Apesar de todo o progresso conseguido no decorrer desses anos, os “negócios” com seres humanos continuam existindo, como alternativa na obtenção de  lucros a qualquer custo. Mas o problema não é somente daquele que compra o “bem”. O problema é também daquele que se vende, se prostitui. Há uma relação, uma comunhão de interesses.

Mulheres vendem-se para adquirir fama e prestígio. Homens vendem-se para obter recursos financeiros. Compram-se mulheres por alguns momentos de prazer. Compram-se homens para alcançar status e poder.  Nada é impossível. Homens, mulheres e crianças tornam-se objetos. E você?  Quanto custa você? Quanto custa sua companheira, seu pai, seu irmão? Quanto custa seu filho? Se sua resposta é “não tem preço”, ótimo! Você, assim como eu e muitos outros, está preocupado com o futuro de nossa sociedade. Futuro que depende
somente de nós e dos exemplos que estamos dispostos a oferecer.

Precisamos deixar nossos casulos e abandonar o “não tem jeito”. Tem jeito, sim! Mas como?  Como agir sem prestígio, sem poder ou dinheiro neste mundo materialista? Primeiramente, não se vendendo ou se deixando vender. Depois, não se omitindo diante dos fatos.
Um exemplo é a vinculação das propagandas eleitorais pagas, que têm
invadido nossas casas. Sem prévio aviso, maus exemplos de homens, sem escrúpulos, são colocados diante de nossos olhos e de nossos filhos, ensinando e provando a existência da impunidade, da injustiça e da imoralidade existentes no país.

Nossos filhos vão aprendendo que a corrupção vale a pena.
Nossos filhos vão recebendo a lição do “ser desonesto vale a pena.
Nossos filhos verificam que o detentor daquele meio de comunicação também se vendeu, se corrompeu, visando apenas o lucro da venda do seu espaço. Só isso importa.

Alguns homens da mídia “fabricaram” a violência que ora estamos
vivenciando. Alguns homens da mídia estão destruindo seres humanos e construindo máquinas frias e sem sentimentos. Mas é importante lembrar e esclarecer que homens corruptos, fatos violentos e calamidades são exceções. Todos os dias, desde o amanhecer e, a começar pelo próprio amanhecer, milhões de pessoas vivem honestamente. Muitos “milagres” da vida acontecem, mas não sabemos, porque não nos informaram porque não dá Ibope.

Existem homens e “homens”.

Um homem de bem que possua um negócio,  não comercializará drogas.  Ele consegue visualizar as consequências do ato. Entende que será vítima de si mesmo. É responsável. É inteligente e sensato. Sabendo-se parte da sociedade, entende que toda ação gera uma reação.

O homem de bem não se vende. Suas projeções de lucro são planejadas em investimentos no ser humano, na educação ética e moral e principalmente nos próprios exemplos. Esses são investimentos seguros e sem riscos e totalmente isentos de impostos!

Resta-nos então um apelo aos senhores da mídia, para que apliquem seus recursos em “produtos” de qualidade, destacando diariamente os bons exemplos, as boas coisas e bons homens.

Futuro garantido. A propósito tem preço?

* Autor: Ida Della Monica, retirado do site: http://www.ipepe.com.br/poder.html

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: